Este blog tem a finalidade de difundir a apicultura nacional e projectos de investigação realizados em Portugal. A APISMAIA realiza análises polínicas, físico-químicas e resíduos ao mel e outros produtos apícolas.
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
23
25
26
27
28
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
21
Fev
10

 

 

A origem botânica do mel é algo que é esquecida, tanto pelos apicultores como pelo próprio consumidor. Este último desconhece a variedade de méis monoflorais que poderão existir em Portugal, restringindo-se a "mel escuro" e "mel claro".
Os méis escuros são geralmente obtidos em zonas de montanha. Destes, é distinguido o mel de urze (Erica spp.), que em “contra luz” tem uma cor avermelhada. Mas também é possível obter méis monoflorais de castanheiro e de melada. Este último é obtido das exsudações dos Quercus spp. (azinheiras e carvalhos). A abelha aproveita estas exsudações açucaradas que são provenientes da bolota ou das plantas, ou ainda das excreções açucaradas de certos afídeos que sugam a seiva elaborada destas plantas. Este mel é bastante apreciado em países como a Alemanha, em que o seu preço pode atingir quase o dobro dos méis de néctar. Um outro mel que é escuro e que pode ser obtido em zonas de baixa altitude é do tomilho (Thymus spp.). Este mel é obtido em zonas calcárias como é o caso das Serras de Aires e de Candeeiros e Serra de Sicó (centro de Portugal).
Os méis claros são geralmente originários do rosmaninho (Lavandula stoechas), da laranjeira (Citrus spp.) e do girassol (Helianthus annus). Estes méis predominam no Sul de Portugal, embora o mel de rosmaninho possa ser obtido na Terra-Quente Transmontana. Ainda é possível produzir o mel de soagem (Echium spp.), no entanto este mel não é valorizado pelos apicultores, até porque são néctares que contaminam o mel de rosmaninho devido a simultânea floração entre estas duas espécies.
Outros méis monoflorais poderão ser obtidos em Portugal e que possuem uma cor intermédia. O mel de eucalipto é geralmente produzido no litoral (em especial do cabo Mondego para norte) e possui uma cor âmbar. Durante o fluxo de néctar do eucalipto é possível produzir, em média, 50 a 70 kg de mel. Outro mel com interesse na produção apícola é o de silvas (Rubus spp.). Embora este mel seja desvalorizado a nível nacional, os “nuestros hermanos” galegos souberam aproveitar este mel para ser um dos “postais” da Indicação Geográfica Protegida (IGP) da Galiza. Outro mel que é por vezes aproveitado para produção de aguardentes é o de Medronheiro (Arbutus unedo). Infelizmente, este mel não chega facilmente à nossa mesa, devido á sua difícil extracção durante o Inverno. É um mel que tem a peculiaridade de ser amargo mas é bastante valorizado nos países do norte da Europa.
 
publicado por apismaia às 21:34

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

pesquisar neste blog
 
as minhas fotos
últ. comentários
this is unbelievable, it is my first time to be ca...
DO YOU NEED A PERSONAL/BUSINESS/INVESTMENT LOAN? C...
Wow this is awesome, very interesting article. I c...
HOW I GOT MY DESIRED LOAN AMOUNT FROM A RELIABLE A...
HOW I GOT MY DESIRED LOAN AMOUNT FROM A RELIABLE A...
HOW I GOT MY DESIRED LOAN AMOUNT FROM A RELIABLE A...
Hello viewerWe are professional traders, earning o...
o que se faz depois de se detectar esse problema?
Olá, sei que este post é antigo, mas espero que al...
I got my already programmed and blanked ATM card t...
blogs SAPO