Este blog tem a finalidade de difundir a apicultura nacional e projectos de investigação realizados em Portugal. A APISMAIA realiza análises polínicas, físico-químicas e resíduos ao mel e outros produtos apícolas.
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
23
25
26
27
28
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

22
Fev
10

 

A loque americana
A bactéria da loque americana (Paenibacillus larvae) afecta somente os estádio de larva da abelha (Apis mellifera). Os esporos da loque são somente infecciosos para a larva, enquanto as abelhas adultas são as responsáveis pela sua distribuição. A larva é mais susceptível a esta doença durante as primeiras horas, 12 a 36 horas após a passagem de ovo a larva. Durante este período de tempo basta cerca de 10 esporos para haja o inicio da infecção da larva. Após a ingestão dos esporos pela larva, estes germinam após 12 horas para dar origem à fase vegetativa. A bactéria vegetativa prolifera no “intestino” da larva muito à conta da sua alimentação que é rica em glucose, frutose e sacarose. Uma característica da bactéria da loque, durante a sua proliferação na larva, é produzir uma substância designada de “proteases” que é responsável pela degradação da larva (castanha tipo café, pastosa – verificada pela técnica do palito c2.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o6704d25e/5850875_LZ6QG.jpeg). Durante o processo de degradação da larva são produzidos milhões de esporos que vão infectar as próximas larvas.
Devido às actuais metodologias cientificas na área da genética, é possível identificar 4 tipos de bactérias da loque. No entanto, existem somente 2 genótipos (I e II) mais disseminados pelo mundo fora, sendo o genótipo I o mais comum e menos virulento. É verificado que o genótipo I mata a larva em 13 dias enquanto genótipo II (mais virulento) mata a larva em 7 dias. Porém, uma colónia de abelhas “dá-se melhor” com o genótipo II…e porquê?...devido ao seu comportamento higiénico. As bactérias do tipo II matam as larvas ao fim de 7 dias (a contar do 1º dia do ovo) e, como tal, a larva ainda não se encontra operculada o que facilita a detecção e remoção da larva pelas abelhas. Ao contrário, as larvas infectadas pelo genótipo I poderão ser operculadas, o que dificulta a limpeza pela colónia. Portanto, um dos primeiros passos para prevenir a loque americana nos nossos apiários é a selecção continua de colónias higiénicas.
Poderemos pensar que os antibióticos serão uma alternativa ao tratamento…nada mais errado…e será bastante confrangedor para o apicultor ser um dos visados neste tipo de noticias (http://montedomel.blogspot.com/2010/02/revista-proteste-n-310-fevereiro-2010.html). Até porque os antibióticos poderão ter as seguintes consequências: i) os antibióticos não são efectivos contra os esporos da loque, somente “disfarçam” os sintomas mas não curam; ii) os resíduos químicos, tal como os antibióticos, podem permanecer nas nossas colmeias (colónias) durante anos; iii) os antibióticos podem afectar a vitalidade das larvas e longevidade das abelhas adultas; iv) aumento da resistência da bactéria da loque aos antibióticos o que promove a procura de novos antibióticos…e um ciclo vicioso de resistência…
Sendo assim, o que temos a fazer são outras atitudes para prevenir a loque (já foi referido a selecção de colónias com comportamento higiénico). Por exemplo, o método de obrigar as abelhas a “puxarem” cera. Este método só resulta quando o nível da doença é baixo e existe um fluxo de néctar (para que seja possível puxar as ceras). Mas para uma explicação melhor nada como a colocação de imagens no capitulo II (post seguinte…)
Caso o nível da doença já seja elevado então vamos queimar a colmeia (inclusive as abelhas lá dentro).
publicado por apismaia às 23:59
De Luis Manso a 19 de Abril de 2011 às 12:13
Em tempos li num saite argentinoi que conseguiam "Tratar" ou inutilizar os esporos da loque, mergulhamdo a colmeia "infetada" em parafina dura, pois esta atinge temperaturas, em fvervura, de cerca de 140 graus, e com esta temperatura os esporos são destruidos. Outra vantagem deste método era o tratamento que se dava à madeira com o banho de parafina. Tenho procurado, por tudo quanto é sítio, e não consigo encontrar, em Portugal, referência a este método, nem em livros, nem em colóquios, nem na web... será que não resulta, ou é demasiado dispendioso?
De Ricardo Pinto a 26 de Fevereiro de 2010 às 23:16
Boa noite!
Em primeiro lugar parabéns Miguel Maia, pelo blog, desconfio que se o Miguel tiver determinação e tempo para dedicar a isto, então este blog poderá vir a ser uma referência para os que têm este vicio saudável das abelhas.
Pelo menos assim espero!

Acerca da mensagem que estou a comentar e do método apresentado para lidar com a loque no inicio, queria dizer já tinha lido sobre isso e gostava de saber se realmente se conseguem eliminar os esporos da loque de maneira a ela não reaparecer?
Do que eu li acrescentava o pormenor de não se utilizar fumo na operação para que as abelhas não fossem buscar mel que pudesse ter esporos, mas isto também não será assim tão importante!

Espanta-me que, com a informação que há hoje em dia, ainda haja apicultores a tratar as suas abelhas com antibióticos. Ainda o ano passado testemunhei um a procurar numa loja "medicamento para a loque". Se realmente é como dizem, não é apenas um desperdício de dinheiro e um risco de contaminação do mel, mas também um perpetuar da doença nas abelhas!

Um abraço
Ricardo Pinto

pesquisar neste blog
 
as minhas fotos
últ. comentários
Asa empréstimo empréstimo empresa estão prontos pa...
Asa empréstimo empréstimo empresa estão prontos pa...
Asa empréstimo empréstimo empresa estão prontos pa...
Les invito a darse una visita por nuestra web para...
Este Verão já identifiquei algumas na zona de Alco...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
boa tarde tenho algumas colmeias no alto Alentejo ...
blogs SAPO