Este blog tem a finalidade de difundir a apicultura nacional e projectos de investigação realizados em Portugal. A APISMAIA realiza análises polínicas, físico-químicas e resíduos ao mel e outros produtos apícolas.
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
18
Fev
12

Desde há alguns tempos temos vindo a assistir à invasão de espécies exóticas em Portugal. Algumas destas espécies são oriundas de territórios bastante longíquos, como é o caso de países de Oceânia. É o caso do eucalipto, embora esta espécie tenha sido introduzida com o conhecimento das entidades oficiais para fins comerciais - a pasta de papel. No nosso território domina a espécie Eucalyptus globulus e em algumas áreas o Eucalyptus camaldulensis. Curiosamente, outras subespécies de eucalipto surgem no nosso país, mas a sua expressão é mínima e sem nenhum significado (http://aguiar.hvr.utad.pt/pt/herbario/cons_reg_ncom.asp?ncomum=eucalipto&Submit3=Pesquisar). 

Outras espécies, nomeadamente a Acacia longifolia (Andrews) Willd (Acácia-de-espigas) e a Acacia dealbata Link (Acácia-mimosa; Mimosa) têm tomado "conta" de grande parte de zonas litorais e também de zonas de montanha, onde nestas últimas as mimosas são consideradas uma boa fonte de madeira.

A Hakea sericea (Espinheiro-bravo; Háquea-picante; Salina) com espinhos demasiado rígidos e pontiagudos (nem os garranos pegam) e, após os incendios, brotar da terra com um vigor imenso onde as suas raízes imperam em solos pobres de azoto e fósforo é uma espécie a tomar em consideração. Em algumas zonas do Minho esta espécie está a tomar conta de solos onde antes existiam vastas manchas de urze.

Em principio, todas estas "invasões" podem nos entristecer e criar um sentimento de revolta...quem não se lembra no inicio dos povoamentos de extensos eucaliptais o constante chamar de atenção dos ecologistas na degradação dos solos (e com razão). Mas algumas sementes destas espécies (e de muitas outras) foram trazidas em bolsos de calças e até em vasos (quando se podia trazer tudo e mais alguma coisa nos aviões). Por exemplo, a Hakea é uma excelente espécie para a construção de sebes (espinhosa e pode atingir os 3 metros).

Porém, a nível apícola, a maneira de ver esta invasão pode ser vista de um outro ângulo. Actualmente, o eucalipto é das espécies que produz mais mel por colmeia em comparação com a urze, o rosmaninho, a soagem, o castanheiro, entre outras espécies. As acácias podem fornecer pólen, fonte proteíca que é essencial para a crição da colónia, no ínício da Pimavera e também alguns sucos açucarados que atraem as abelhas. Por fim, a Hakea que atrai significativamente as abelhas pelo seu néctar em pleno Inverno, promovendo a estabilização das reservas nesta estação do ano e, quem sabe, a promoção da produção de um tipo de mel monofloral que poderá ser explorado pelo apicultor.

Assim, a pergunta que poderá ficar no ar: estas espécies serão bem ou mal vindas para o nosso ambiente / agricultura?

publicado por apismaia às 12:18
pesquisar neste blog
 
as minhas fotos
últ. comentários
Asa empréstimo empréstimo empresa estão prontos pa...
Asa empréstimo empréstimo empresa estão prontos pa...
Asa empréstimo empréstimo empresa estão prontos pa...
Les invito a darse una visita por nuestra web para...
Este Verão já identifiquei algumas na zona de Alco...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
A melhor forma para as apanhar, é, pega.se ...
boa tarde tenho algumas colmeias no alto Alentejo ...
blogs SAPO